sábado, 13 de outubro de 2007

Ali vem...

Ali vem, ali vem um lenhador
De machado e de serra bem armado
Finalmente vai parar aquela dor
Desfechando neste tronco o seu machado

Mas, não parou aquele lenhador malvado
Distraído, não me viu em seu passar?
Volta aqui, óh lenhador apressado
Ha um trabalho que precisas acabar

Lá vai ele, afasta-se sem me notar
Abandona-me, insensível, ao sabor
Deste tempo que não para p'ra me dar
Um momento, um momento, por favor...

7 comentários:

♥≈Nღdir≈♥ disse...

Lenhador distraido
concentrado no seu pesar
Disfere o golpe do machado
Para a dor acalmar...

....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
...... Passei por aqui
••. ¸.♥ Beijos ♥ ¸.•

Bartolomeu disse...

Belas passadas nadyr, ditosas areias que as testemunham.
;))))
Já estás recuperada Nadyr?

Rosa dos Ventos disse...

Quando muito eu poderia ser tua assessora na pasta da Cultura!
Tu fazias as inaugurações e os discursos, eu tratava dos comes e bebes e dos percursos mais interessantes! ;-)))

Maria Eduarda Horta disse...

Agora que deste em árvore, também deste em... quê? Maníaco depressivo? Que árvore tonta, esta que não sabe esperar uma morte de causa natural.

sombra e luz disse...

Árvore que procuras?
Um lenhador?
Um poeta sonhador?
Um bálsamo para a tua dor?

Ouve o vento...
ouve as estrelas ao relento,
e fica atento...

Papoila disse...

Estás numa de transformação.
Deixa-te estar árvore. Gosto de descansar no aconchego do teu tronco e ramos.

Jinhos
BF

lenor disse...

Não estavas bem disfarçado de árvore. Uns ramozinhos presos ao capacete não enganam ninguém e muito menos um lenhador.