sexta-feira, 27 de julho de 2007

Poesia

O verso cresce, como o sol
Quando nasce, fazendo rodar o girassol.
O poema é a agonia, a raiva, a paixão
É a nostalgia, o desejo, a sensação

A palavra é a ferida que não sara
A frase, o carreiro da lentidão
São a alma, são a mão, são a cara
De quem tenta sair ou entrar na solidão.

O poema é o véu intransparente
Da mágoa que se esconde lá no fundo
O verso é a palavra que a desprende
E a solta, brevemente pelo mundo

E o poeta, o insensato rimador
É o que aperta e estrangula na garganta essa dor
É o mágico, o profano escrevedor
Que rimando, transforma o que é dor, em amor.

Hoje apeteceu-me melancolizar... :)))

28 comentários:

Gaja Boa 1 disse...

A poesia serve para se ir dizendo aquilo que não se quer dizer...

lol

Maria Eduarda Horta disse...

E apeteceu-te muito bem. O verso não é só isto, mas TAMBÉM é isto.
Obrigada pela melancolia que também faz parte da vida.

Papoila disse...

E "melancolizas-te" muito bem porque o verso é mesmo tudo isso. Tipo "cartas de amor são ridículas..."
O amor faz com que fiquemos um pouco ridículos mesmos. Por vezes sinto-me tão ridícula, mas pelo menos amo.

Gostei

Beijinhos
BF

lenor disse...

«O poema é o véu intransparente
Da mágoa que se esconde lá no fundo
O verso é a palavra que a desprende
E a solta, brevemente pelo mundo»
Olá! :)

♥≈Nღdir≈♥ disse...

Foste eleito no reflexo da minha fantasia "Bem me Quer"
Espero que não te importes.
Beijos
ღ♥ღBom Fim de semanaღ♥ღ

Bartolomeu disse...

Resumindo... é isso gaja, a poesia pode ser ainda a forma de exprimir aquilo que não se sabe dizer... entre o querer e o saber, pode existir um abismo, ou um regato, a diferença está no tamanho da perna.
Ou não...
:)))

Bartolomeu disse...

Como vês Maria Eduarda, estou totalmente dependente de apetites :))) sou um apetitodependente :))))
Não sou nada apto a melancolias, mas uma vez... lá calha.
:)))

Bartolomeu disse...

Ahhhhh cartas de amor, referes-te ao Tony de Matos?
:)))
Cartas de amor, quem as não tem.
Eu escrevi cartas de amor, cheguei a escreve-las para namoradas que não cheguei a conhecer. Não!!!! Nada disso!!!, Não eram seres que povoavam a minha imaginação, eram raparigas de outros locais, inclusive de países estrangeiros, com quem me correspondia.
Coisas de um tempo em que a internet não existia, mas existia o desejo do conhecimento. Ás tantas, foram as cartas que eu e milhares de outros escrevemos, que inspiraram os criadores dos chat e do MSN e por aí fora. Agora que falámos nisso, vou ver se tiro a "coisa" a limpo e exigir a minha quota-parte dos direitos de autor.
Ai não que não...
:))))))

Bartolomeu disse...

Leozinha, Leozinha, isso é plágio.
Vai já um mail de seguidinha para a protecção dos direitos de autor, ai que é como ginjas.
(Hoje estou-lhe a dar muito na cena do direito de autores... ummm isto trás água no bico)
:))))))))

Bartolomeu disse...

Nadir, encantadora Nadir...
Não me importo absolutamente nada que utilizes aquilo que escrevo, sobretudo sendo escrito para ti, porem, nota que os amigos que frequentam o teu blog, podem eventualmente sentir-se "melindrados" pelo destaque.
Afinal, estou certo que todos têm um logar especial no teu coração, precisamente porque comentam com carinho e amizade aquilo que escreves para todos nós, com o mesmo carinho e amizade.
A big kiss for you my dear!!!!!!!!!
:))))))))))

Fábula disse...

poesia é o que tu fazes, ó poeta! ;)

Bartolomeu disse...

Uiiii Fábula, esse elogio, soube-me melhor que este wiskye velho, que estava ha uns bons 20 minutos a repuxar-me para uma reflexão anacrónica. É que habitualmente reflito, depois wisco.
:))))))))))

Su disse...

gostei.............mas não adorei:))))))))))))))))))

jocas maradas

Bartolomeu disse...

Ainda bem Su, assim sinto-me incentivado a fazer melhor...
:))))

winkle disse...

olha olha se tens uma parte de direitos de autor no msn entao eu tb...
qd fores reclamar avisa, não fikes com tudo para ti!!!!
sempre adorei escrever, e confesso que me sinto mais inspirada com caneta e papel do que muitas vezes em frente ao monitor.

quanto ao teu poema faz-me lembrar uma frase que postei ha tempos no meu blog "“quem for poeta está condenado a ser infeliz, porque «a própria existência do poeta reside na obscuridade que resulta da submissão ao desespero, da constante agitação da alma desesperada e da incapacidade de o espírito adquirir a sua verdadeira transparência»...



In Terapia de David Lodge


continua a escrever com ou sem melancolia :)

Bartolomeu disse...

Olá Wink, minha simpática atentadora, estava a pensar passar uma tarde de domingo sossegadinho, a pensar que não me apetecia pensar em nadexxx, e vens tu desafiar a minha reflexão...
não ha direito, mas pronto, já topaste o meu ponto fraco e agora atentas-me.
:)))))

Papoila disse...

Bartolomeu... eu também tenho uma pequenina parte de direitos de autor.

Não me referia a Tony de Matos mas está bem pensado também ...referia-me a Alvaro de Campo com:

Poema

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas).

Álvaro de Campos

Bartolomeu disse...

Bela escolha Papoila
Alvaro Pessoa Fernando de Campos, co-relaciona metaforicamente a acentuação exdrúxula com o preconceito do ridículo.
Mas... como também diz o poeta, o amor é louco, logo, perde a exdrúxulia do preconceito.
:))))))))
Bela escolha Papoila, bela escolha.

Luisa Oliveira disse...

A poesia serve para exprimirmos o que sentimos. Mesmo que por vezes sejam coisas tão chatas como a melancolia...

^^

Rosa dos Ventos disse...

"Ser poeta é ser mais alto,é ser maior
Do que os homens!...
( Florbela Espanca )
Um abraço também melancólico

Bartolomeu disse...

Olá Luisa.
Que tal a experiência no campus?
Espero que sem tempo nem motivos para melancolias.
:)))))

Bartolomeu disse...

Olá Rosinha, a Florbela e o Cesário, tinham uma prespectiva melancolica de poesia, muito própria, incompreensível quase.
Já leste o poema em que semi-plagio Florbela?
É dos primeiros, não se é mesmo o primeiro que postei.

psique disse...

Se a melancolia
não é dor
nem sabor
se a melancolia
é a saudade
talvez da realidade
de um certo dia

Bartolomeu disse...

HUMMMM Psyque, tocaste num aspecto muito profundo comum ao estado de melancolia.
:)))

winkle disse...

bartolomeu obrigada pelo teu comment..
mas..
...mas
eu não sou Joana!!!!
looool

Moura ao Luar disse...

Um beijo poeta ;-)

Bartolomeu disse...

Estás desculpada Wink, para a próxima não te enganes.
:))))))))

Bartolomeu disse...

Só um moura?
Vim de tão longe e só me dás um beijo?