quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Redacção

Quando frequentei a escola primária... era um miúdo, usava-se, mandar escrever uma redacção.
Adorava aquela coisa de escrever acerca de algo que o professor nos indicava como tema.
E escrevia que me fartava, tal como hoje, dando erros d'embarda. A maior parte deles por pura distracção, outros porque efectivamente tenho dúvidas acerca da ortografia, mas, mais do que dúvidas, tenho perguiça (ou será preguiça?) de procurar no diccionário a forma certa de escrever a palavra.
Ah mas se escreveres o texto préviamente no word, não precisas de ter trabalho a procurar no diccionário... Ah pois é, só que, se escrever no word, depois de utilizar o corrector ortográfico, vou ter de fazer copy-past, ou seja, assinalar o texto com o botão do lado direito do rato, em seguida pressionar as teclas control-c, abrir a caixa de mensagens no blog, assinalar a linha e pressionar as teclas control-v.
Ufah, que trabalheira, já viram bem?
hihihihihi
Na, não é bem pelo motivo de enfado (foi só para não voltar a escrever perguiça).
É sobretudo porque escrevo de rajada, ou seja, de seguidinha, o que conflitua com "frescuras" de composições ortográficas e gramaticais.
A que propósito é que escrevi isto?
Ora, porque me lembrei que gosto de escrever desde o tempo da instrucção primária, ou seja, práticamente desde o início do mundo!
;)

13 comentários:

lenor disse...

Eu não gosto de escrever nem de falar. Só escrevo para "apanhar" um ou outro pensamento que vejo que vale a pena. Porque os pensamentos fogem, mais que s pássaros, até.

Pinho Cardão disse...

Ora bom regresso à caminhada, caro Bartolomeu, depois de uma férias e peras, de verão e de outono, de Julho a esta parte.
Os seus erros, se existem, são liberdade poética, até embelezam os textos.
E, quando não são liberdade poética, não são erros, são criativas palavras que inventa para traduzir novos e elevados conceitos.
E poucas pausas daqui para o futuro!...

maria_arvore disse...

Tu usas o Internet Explorer, não é?... ;)

Mas deixa para lá os erros que o que conta é o ritmo que dás à composição da redacção. :)O resto são amendoins... que se sacodem. ;)

Bartolomeu disse...

;)))
Podes não escrever tanto quanto desenhas, ou melhor... dizer mais desenhando que escrevendo, mas deixa que te diga minha querida, em matéria de pensamento, possuis um manacial inexgotável e de qualidade.
Um beijão Leonor, com asas suficientemente fortes para me levarem através do oceano.

Bartolomeu disse...

Isto, a bem dizer não foram férias. Foi preguiça, dura e crua, tenho de admitir com toda a humildade possível, caro Pinho Cardão.
Mas os simpatiquíssimos comentários com que todos os meus amigos me brindam, arregimentam-me à "causa" da escrita mais arraigadamente.
;)

Bartolomeu disse...

Achas Maria?
Sabes que as tuas opiniões contam para mim como uma bíblia.
e depois... como fundamentas a "coisa" na teoria do rítmo... ou como dizem os amaricanos "balance"...
olha, acho até que me vou converter ao culto do erro.
É! e depois transformando-os em amendoins... acho que me deste uma ideia para um bom negócio.
;)))
Amo esta mulher... quer dizer... esta árvore... do conhecimento.

inespimentel disse...

... depois aconteciam aquelas positivas a português em que a dita "redacção" puxava para cima e a gramática , para baixo. É bom escrever de carreirinha, tb o faço, depois quando posto e mais tarde vou espreitar irritam-me os erros, parecem-me inestéticos e desnecessários...mas perdoo-me sempre... o que conta é escrever, e por cima se for, como você diz, uma contribuição para elevar as qualidades de todos nós, uma partilha de ideias, conhecimentos, sensibilidades, para ficarmos todos melhores pessoas, então valem a pena todos os erros e o conteúdo é o que verdadeiramente conta!

Bartolomeu disse...

Tambem me parece que sim Ines, todos os erros valem a pena, se conseguirmos extrair deles algo que possamos aproveitar em benefício próprio ou de terceiros. E mais ainda, ou, tanto quanto, a partilha de conhecimentos. Se bem que, esta fica condicionada à regra da aceitação, ou seja; não basta "emitir" a informação, é necessário que para a mesma, seja disponibilizada a "recepção". O contrário redunda numa imensa frustração.
Mas que digo eu?
Se soubesse que nada sei, talvez encontrasse na Terra a essência do conceito de felicidade.
;)))
Um beijo Inês

claras manhãs disse...

Mas escreves e encantas
o que queres mais?
erros? todos damos, qual é o mal?

o mal lindo, foi ficarmos estes meses todos sem nadinha pela tua preguiça, isso sim foi pecado, se existirem.

beijinho

Bartolomeu disse...

Gostaria de poder encantar, tanto quanto uma Clara Manhã.
Faltam-me os raios de um sol que vai espreitando por trás da montanha e lentamente consegue elevar-se até atingir o Zénite.
Xiii ke pretencioso estou hoje...
;)))
Have a kiss my dear.

Rosa dos Ventos disse...

Já gostei mais de escrever e de falar.
O gosto que se mantém inalterado é o da leitura.
Adoro ler!
E talvez seja por preguiça, dá menos trabalho ler do que escrever e falar!
Também confesso que sou preguiçosa. :-))

Abraço

Papoila disse...

e por aqui, eu gosto de te ler, com erros ou sem eles :)

beijinhos
BF

Bartolomeu disse...

Eu prefiro com erros... é o modo de ser genuíno.
lolol
Afinal... o gajo que inventou a escrita e as regras gramaticais perguntou-me a opinião?
Pois não, então porque carga de água terei eu de me sujeitar a elas?
Orassss...
;))))
Beijáço Papo de Oila