domingo, 6 de janeiro de 2013

Das pedras...

Gosto imenso de pedras.
Lembro-me  de em criança, sempre que ia a uma praia onde na maré baixa ficavam a descoberto pedras de diferentes cores e formatos, ser invadido por um fascínio imenso, que me levava a desejar apanhar e levar para casa todos aqueles "pedaços de mundo".
Cheguei a levar alguns, muito a contragosto dos meus pais, que não queriam a casa cheia de pedras, vencia a minha insistência, ajudada pela verdadeira beleza com que as várias cores e formatos das pedras, nos regalavam o olhar.
Sempre que algum familiar nos visitava, ou a algum colega da escola  era permitido que entrasse, corria imediatamente a mostrar, orgulhoso, as minhas belas pedras.
Mais tarde, quando li pela primeira vez o "poema do Menino Jesus" de Alberto Caeiro, ao chegar à quadra:
«Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um Deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo o universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.»
compreendi o que realmente me fascinava nas "minhas" pedras e porque lhes dedicava tantos cuidados, evitando que caíssem no chão.
Desde esse dia, compreendi que cada pedra, tal como cada ser Humano, comporta em si, todo o Universo, por isso, merecem que as admiremos, que as conservemos e lhes dediquemos todo o nosso carinho.

4 comentários:

Cristina Torrão disse...

Bonito, Bartolomeu!
As pedras são muito decorativas. Há até quem compre pedras para esse efeito.

Bartolomeu disse...

Eu prefiro apanha-las na beira de água e gozar o seu brilho enquanto estão molhadas.
Cheguei a reunir uma boa centena de quilos de pedras e pequenas conchas.
;)

cristiana silva disse...

Gostar de pedras não é uma coisa assim muito bonita querido bartolomeu,antes prefiro gostar de pessoas simpaticas e divertidas,antes prefiro gostar de musicas alegres,antes prefiro gostar de ver blogues na internet e actualizar o facebook e principalmente antes prefiro gostar de bordar ponto de cruz.

Cristina Torrão disse...

Nada impede que se conjugue a paixão pelas pedras com as outras.