domingo, 17 de abril de 2011

Coisas da minha Terra I.

Hoje, saí muito cedo. Atravessei pelos campos até chegar a um moinho que fica num alto. Ai chegado, sentei-me sobre uma mó de pedra abandonada e esperei pelo nascer do sol. Á minha volta, a vida acordava. As plantas ainda molhadas do orvalho, como que despertavam, a passarada chilreava caçando insectos. De resto, só o som do vento brando e ligeiramente fresco a deixar adivinhar o nascer de mais um dia de calor primaveril. Quando a luz do sol rompeu, primeiro alaranjado e depois brilhante e quente e começou a fazer realçar as tonalidades dos campos em volta, encheu-se-me o peito de alegria, senti o entusiasmo, o desejo forte de fazer, de construir, de ser parte activa de um mundo em permanente mudança e aperfeiçoamento. Pensei então: o mundo é realmente muito bonito! De súbito assaltou-me outro pensamento; se o mundo é efectivamente belo, cómodo, agradável, se a terra nos dá tudo o que necessitamos para nela viver... porquê perseguir a riqueza, o sucesso? Porquê a ganância de possuir, escondida por trás da capa da evolução? Afinal... o que representa efectivamente a evolução? Não continuamos a ser, como sempre fomos, mortais? Não continuamos a ser, como sempre fomos, falíveis? Não continuamos a ser, como sempre fomos, sonhadores? Não continuamos a ser, como sempre fomos, idealistas? Fez-me bem este nascer do sol... fez-me bem, ver o mundo iluminado, fez-me bem ouvir a passarada. Ainda me invade o olfato, o cheiro da terra humida!

7 comentários:

Cristina Torrão disse...

A evolução, a riqueza e o sucesso são e serão sempre uma ilusão. A verdadeira riqueza é o encanto da Natureza, que devíamos respeitar, com a qual devíamos colaborar, em vez de tentarmos dominá-la.

Bartolomeu disse...

Sábias palavras, Cristina.
Com efeito, o bem mais precioso do Homem, é a natureza e o proveito que ela lhe oferece, pedindo em retribuição, somente, respeito.
;)

Baila sem peso disse...

Tinha deixado aqui longo discurso
já percebi que se perdeu no percurso!
Xiii, virei baratinha de pernas pró ar!!!
Nada que não soubesses já
mas pronto era só pra reforçar
a Terra, no seu doce cantar
e ninguém a respeitar!
Onde será que isto vai parar
com o filho sem respeito pela Mãe
pensando só na evolução
que é pura contradição...

mas pronto, só posso dizer
Bartô: Nunca percas esse teu estar!

e olha sempre que o tempo der
virei aqui escutar a poesia, beber a fonte de interrogação que passeia sempre na tua mão

e não vou embora sem deixar carinho do meu coração, pois então ;)

Papoila - BF disse...

Muito filosófico :)questionarmos-nos qual o nosso papel aqui nesta terra e se em harmonia com a natureza é sempre uma boa forma de prosseguir o nosso caminhar.

Um Bom Domingo
BF

Bartolomeu disse...

Olá minha amiga Bailarina!
Imagino que tenha acontecido ao teu discurso, o mesmo que também já aconteceu com alguns que escrevo, últimamente.
Mas ha um remédio que evita essas falhas nos blogger; após completares o que queres escrever, marcas o texto, carregas nas teclas Ctrl + c e em seguida no "publicar comentário".
Se a operação de publicação falhar, tens sempre o texto salvo, basta voltares à caixa de comentários e aí carregares as teclas Ctrl + v.
;)

Bartolomeu disse...

Olá Papoilinha!
"Harmonia com a natureza" essa é, quanto a mim, a verdadeira chave que abre a porta para a felicidade. O resto, são ilusões. Contudo, as nossas características humanas, compelem-nos a valorizar outros aspectos que nos parecem mais importantes. E frequentemente utilizamos a desculpa: mas quem é que não gosta de uma extravagânciazinha de vez em quando?
Este, é um pensamento muito comum, que nos confere um sentimento efémero de liberdade e de euforia, de termos alcançado algo que nos irá transportar até ao inimaginável. A realidade surge quando esse momento passa e voltamos a desejar mais e... a atingir menos.
;)

Catarina disse...

É o lugar exato onde te imagino.