terça-feira, 1 de abril de 2008

Pelo Espaço

Um cósmico vibrar, uma cósmica voz
tocam-me os sentidos, as emoções
Sons, melodias trazidos pelo vento veloz
envolvem-me em mágicos voos, atracções

Ganho asas, ganho distâncias e espaços
Alturas desmedidas no universo
Para te ter rendida nos meus braços
Enquanto risco pelos céus este meu verso

E por fim me entregar em teus abraços
Me perder, encontrar-me nos teus beijos
Sentir-me preso no teu corpo, em enlaços
Sentir que se saciaram nossos desejos

7 comentários:

sinhã, a. disse...

O crime perfeito. :-)

Bartolomeu disse...

crime, ou cream?
;))

sinhã, a. disse...

Crime. Mesmo. :-)

Bartolomeu disse...

ok, guardo o cream, fica para outra altura.
;)

lenor disse...

E no fim, um espaço mais pequeno, de beijos e abraços feito, quentinho.
:)

Fábula disse...

vê lá é se o desejo dela não é o mesmo que o teu, é que desejos há muitos... e tu já viste bem como desejos rima tão bem com bocejos? ;)

Bartolomeu disse...

Pode ser como tu dizes Fábula, mas, tenho de correr o risco. Afinal, sem risco, a vida seria um monumental bocejo.
;)))