terça-feira, 12 de junho de 2007

Poema do ente (brincando com as palavras, mas não com o conteúdo)

Corre gente agitadamente
Em corrente, dependente
Tentando airosamente
Parecer que o faz alegremente

Falam fluentemente
Dos males que inquietam a gente
E que desumanamente
Nos transforma em gente dependente

Correm frenéticamente à frente
De um desânimo mordente
De uma ânsia persistente
De um sofrimento pungente

Surge gente desatinadamente
Perseguindo um nada aderente
Que lhes concede a ilusão poente
De um futuro poeticamente, politicamente, pomposamente, pontualmente, possívelmente... potente.

Oh minha gente
É imprudente nadar contra a corrente
Debater-nos sordidamente
Defendendo a vanidade decorrente
Em lugar da paixão pelo recorrente

Será bom que velozmente
Se coloque a mão na mente
Se interrompa o divergente
Se crie uma nova corrente
Que iguale toda a gente,
Consciencialize docemente,
Cure o mundo doente,
Do mal que dramáticamente
O torna num mundo sem gente.

8 comentários:

Maria Eduarda Horta disse...

"Eu hoje fiz um samba bem p'rá frente/Dizendo realmente o que é que eu acho/Eu acho que o meu samba é uma corrente/e coerentemente assino em baixo.
(Chico Buarque)

Bartolomeu disse...

olá Maria Eduarda :)
é importante dizer o que se acha, assim como importante é, fazer o que achamos.
O Minho apresentou-se agradável?
Esta-se na época da lampreia... hmmmm.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

e assim se brinca com as palavras alegremente
docemente deixo o meu beijo

lenor disse...

Drama, drama, seria o mundo sem ti.
E já agora, sem mim... E já agora, sem estas meninas lindas que vêm aqui ter... Verdade?
:P

Bartolomeu disse...

Olá Nadir...
Sabes? Tenho a convicção pessoal que as palavras existem com uma função importante, para além de meio de comunicação e expressão. Acho que elas existem tambem para nosso divertimento, na medida em que a mesma palavra, pode ser entendida de formas diferentes, sobretudo se conjugada de forma "perniciosa", mas essa, nós obviamos. Brinquemos então, brincando com as palavras, brincamos ainda com os conceitos, e provávelmente encontramos uma forma mais simples de pensar a vida.
Retribuo o teu doce beijo.

Bartolomeu disse...

Verdadérrima querida Leo...
Afinal que seria o mundo sem ti?
Nem me atrevo a imaginar. Felizmente existes, assim como existe o luar mágico que transforma as noites em dias... prateados.

winkle disse...

brincar com as palavras pode ser Espantosamente surpreendente... ;)

Bartolomeu disse...

É isso também Winkle, assim como espantoso e surpreendente é, as mesmas palavras exprimirem sentimentos e estados de alma.
Já Camões cantava... Alma minha gentil, que te partiste...
não ha quem duvide que o poeta se referia a alguem que de tão gentil alma que lhe foi, lhe causou a tremenda e profunda dor da perda. Ou terá querido Camões dizer-nos...
al maminha gentil que te partiste, referindo-se a algo que se partiu?
chega de paródia... um beijo Winkle!!!