terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Utopias

Vejo-te em escadas de pedra , abandonada
Faltam pedaços, momentos de ti e de mim
Há muito que abandonámos essa estrada
Chegámos ao início, recomeçámos o fim

Reencontrámos nossos olhares perdidos
Em longínquos sonhos abandonados
Relembrámos pensamentos esquecidos
No espaço, entre nossos corpos abraçados

Olhamos de dentro da nossa alma
Vimos luz e fogo nos olhares
Sentimos no peito imensa calma
Nos corpos a imensidão dos mares

Volta, dissemos tu e eu
De olhar fixo na distância
O tempo que passou, não se perdeu
Nos teus braços voltarei a ser criança

4 comentários:

Trequita disse...

Era bom que o passado não nos marcasse e todos pudessem retomar as suas feridas nos braços, curá-las e continuar como se nada fosse... era tão bom... mas

Bartolomeu disse...

Olá Treca
Ainda são visíveis as marcas das feridas provocadas por quedas, enquanto criança. Se essas não desapareceram, as da alma, muito mais dificilmente desaparecerão.
Porém, tanto o corpo como a mente, são dotados de capacidades regenerativas. Sobretudo aquela que nos confere a dureza e a confiança para continuar em busca permanente por um ideal.

sagher disse...

baretolomeu, em face do que escreves sinto-me um pigmeu. lindo poema. obrigado

Bartolomeu disse...

Adoro pigmeus Sage
hehehehe
A sério, no mínimo porque me engrandecem o ego.
hehehehehe
Ok Sage, brincadeiras à parte e porque também gostas de exteriorizar os teus sentimentos através da poesia, endereço-te a minha estima e os votos de que nos mantenhamos poetas.